Sistema de Gestão da Informação e do Conhecimento do Semiárido Brasileiro Sistema de Gestão da Informação e do Conhecimento do Semiárido Brasileiro
Insa – Instituto Nacional do Semiárido
Sistema
Avançado
Sistema
Básico

Monitoramento do Núcleo de Desertificação dos Cariris Velhos (PB)

Outros Núcleos

A desertificação é definida como um processo de degradação ambiental causada pelo manejo inadequado dos recursos naturais nos espaços áridos, semiáridos e subúmidos secos, que compromete os sistemas produtivos das áreas susceptíveis, os serviços ambientais e a conservação da biodiversidade. (BRASIL,2006)

POR QUE MONITORAR?

Monitorar visando extrair dados referentes à degradação do solo ao longo dos anos, auxiliando no combate a desertificação e a mitigação de seus efeitos.

COMO MONITORAR?

Com o uso da geotecnologia e técnicas de sensoriamento remoto, utilizando imagens de satélite, Índice de Vegetação por Diferença Normalizada (do inglês, Normalized Difference Vegetation Index -NDVI) e gerando mapas de cobertura vegetal.

ÁREA DA PESQUISA

O Núcleo dos Cariris Velhos,localizado no semiárido brasileiro, engloba 23 municípios na fração voltada ao sudoeste da Chapada da Borborema paraibana. A área afetada é de 2.805km² com 44.877 habitantes (IBGE,2010).

O processo de desertificação nesta região está relacionado às condições climáticas, solo (em sua maioria compacto e pedregoso) e à ocupação e uso da terra.

MAPAS

PUBLICAÇÕES

FONTE

- Imagens de satélite Landsat 5 (TM) e Landsat 8 (OLI). Disponível em: https://earthexplorer.usgs.gov.

- Data das imagens: fim do período chuvoso para a área em estudo (CPTEC/INPE).

- NDVI por ano.

- Projeto Sistema de Monitoramento dos Núcleos de Desertificação do Semiárido brasileiro - SIMSAB (INSA,2016).

REFERÊNCIAS

___.Convenção das Nações Unidas de combate à desertificação. Brasília, Distrito Federal:MMA/SHR,2006.

PEREZ MARIN, Aldrin M.,CAVALCANTE, Arnóbio de M. B., MEDEIROS, Salomão S., TINÔCO, Leonardo B. de M., e SALCEDO, Ignácio H. Núcleos de desertificação no semiárido brasileiro: ocorrência natural ou antropica? V.17,n.34,p.87 - 106. Brasília - DF.2012.